sunnyday

Iluminem-se. Aqui dá-se à luz a ideias e a sentimentos...

sexta-feira, setembro 30, 2005

O adeus e a saudade II

Sinto que uma etapa da minha vida está prestes a terminar... não existe uma fronteira delineada entre esta e a que se aproxima, mas são coisas que apenas sentimos.

Este blog acompanhou-me ao longo de ano e meio e sinto que é uma das coisas que não poderei levar para a minha nova fase.

Talvez seja o adeus e a saudade segui-lo-á...

O adeus e a saudade

Hoje sinto-me vazia. Sinto que as minhas recordações começam a assaltar-me com mais frequência... Sinto que o tempo me escorregou pelos dedos.

As partidas das pessoas que se gosta são sempre dolorosas. E, nas últimas semanas, vi partir duas pessoas que são muito importantes para mim.
Espero reencontrá-las em breve mas, para fazê-lo, terei de me separar de outras pessoas que ainda amo mais.

A vida sem sentimentos seria muito mais simples.

sexta-feira, agosto 19, 2005

Novidades cinematográficas

Para todos aqueles que, como eu, são fãs entusiastas do livro O Perfume, de Patrick Süskind, eis uma grande novidade (pelo menos para mim): a obra vai finalmente ser adaptada ao cinema, como já há alguns anos se falava e o filme já está a ser rodado em Barcelona.

Eu estive lá, eu vi tudo!
...

Bem, na verdade, apenas vi, em Barcelona, um grande aparato de câmaras e pessoas numa varanda monumental e, mais tarde, apercebi-me que era a rodagem d'O Perfume porque encontrámos os camarins em autocaravanas à saída do Bairro Gótico.

Mas não deixa de ser interessante pensar que, quando for ver o filme, na cena que tiver sido filmada numa varanda, eu posso afirmar «Eu estava lá» ou «Quase fui uma figurante neste filme».

Desculpem lá, mas já vi gente gabar-se por menos...

Sinal de vida

Não, não fui raptada por extraterrestres, nem parti para parte incerta, nem fui em degredo para a Índia. Aqui estou eu, firme e hirte, rija que nem um pêro, para as curvas, e todos esses dizeres populares que se possam adequar a esta situação.

Digamos que precisei de me afastar uns tempos para assentar na cabeça o que os dedos não conseguiam teclar ultimamente; e que o facto de o meu computador exigir uma grande dose de paciência de cada vez que se tenta escrever qualquer coisinha nele (é da idade, afecta a todos...) também não tem sido grande incentivo para a escrita.

Mas cá estou, serena e confiante, como que "restaurada" por estas semi-férias que se aproximam avassaladoramente do fim, com os shacras alinhados e pronta para tentar (sempre que o meu computador permita) actualizar o meu dia de sol* para todos vós!

* Curiosamente, hoje está um dia nublado. Espera-se que não seja um mau presságio.

segunda-feira, junho 27, 2005

Entre aspas

Lido na revista Visão desta e da semana passada (com respectivo comentário próprio adicionado):

«Tenho saudades de não ser famosa e até falo disso com uma lágrima no olho»; Isabel Figueira, aquela da qual tenho saudades dos tempos em que a sua cara não estava espalhada por todos os anúncios de televisão, imprensa, outdoors, etc.

«Tenho 38 760 caracteres de propostas e ideias»; Manuel Maria Carrilho, no expoente máximo de demonstração da sua veia erudita.

«O que está a dizer é que os jornalistas são débeis mentais e não se interessam pelo essencial. Pobre país que tem uma classe jornalística assim»; idem, a propósito de uma pergunta sobre se não previra que o vídeo no qual aparece com a família seria mais falado do que as suas propostas. No comment.

«Gugú, dadá. É só uma ajudinha ao papá!»; título do 24 Horas, sobre a participação de Dinis, filho de Manuel Maria Carrilho, no vídeo promocional da campanha do pai para a Câmara de Lisboa. Comprovação de uma teoria?

«Se aumenta o racismo, o negro revolta-se ainda mais»; Miguel, desconhecedor de que o conceito de racismo é inter-racial e não se aplica apenas aos brancos em relação aos negros e ainda de algumas características como o bom senso. Afirmação provavelmente resultante de uma pergunta dirigida por um jornalista débil mental.

sábado, junho 18, 2005

E por falar em comida...

... não calhava mesmo bem um geladinho? Acho que vou ali comer um e já venho. Ou não.

Televisão ou o Síndroma da Má Disposição

O país está em crise. Nem a euforia provocada pela vitória do Benfica no campeonato fez alegrar a malta, como se esperava. Na televisão, os telejornais passam as notícias da preocupante evolução do estado da nação. E, como se sabe, esses mesmos telejornais são emitidos à hora das refeições.

Pois bem, a hora das refeições: era aqui que queria chegar. Supostamente, o almoço/jantar deve ser feito em ambiente calmo, de harmonia. Mas essa missão não é propriamente facilitada pelo vício em ligar a tv quando nos preparamos para dar umas trincadelas. E começo a fartar-me de comer no meio de exaltação, de gritos contra o Governo, dos insultos aos "cães grandes".

A situação é preocupante e não podemos fingir que não existe. Mas o que também é preocupante é a falta de respeito para com a "hora sagrada" da refeição, em que se procura um bocadinho de paz e sossego.

Para bem da sua saúde, não ligue a televisão, quando quiser comer com descontração.
Fala a voz de um estômago que procura descanso.

sexta-feira, junho 17, 2005

O que as férias fazem às pessoas

Agora que as aulas acabaram, que as frequências acabaram, que os trabalhos acabaram...
Agora que já cortei o cabelo, já pus as perninhas ao sol, já dormi oito horas numa noite...
Agora que procuro um estágio e um emprego de Verão...

Agora, sim, finalmente...

'Tá-se bem!

domingo, junho 05, 2005

Cérebro em hiperactividade II

Creio que este post da Marina é bastante elucidativo.

Cérebro em hiperactividade

Pedimos desculpa aos estimados leitores pela fraca actualização desta publicação, nos últimos tempos. Espera-se que, dentro de duas semanas, a renovação da informação volte a ser uma constante.

Pede-se uma especial atenção a todos os cibernautas que visitem este espaço, para que se façam acompanhar de material protector, tal como capacete e viseira. É que nunca se sabe quando um cérebro em grande actividade pode entrar em curto-circuito.

Agradecemos, desde já, a atenção dispensada.
Cumprimentos.

domingo, maio 29, 2005

«A Revolta dos Pastéis de Nata»

Não costumo ver televisão. Mas sei reconhecer quando um programa tem valor, especialmente quando se trata de programas de índole humorística (não é fácil convencerem-me...!).
Estreou no dia 13 de Maio, dá na 2: (sextas-feiras, às 23h30) e promete ser um sucesso.

A Revolta dos Pastéis de Nata é uma excelente alternativa às telenovelas e ao Fiel e Infiel, programas que passam no mesmo horário nos canais da concorrência. Até podia dizer que qualquer coisa seria uma melhor alternativa que isto, mas o mérito é mesmo deles.